26/12/2011

Que Venha 2012


Ano novo é sempre um momento de expectativa e de esperança. É muito bom mudar o ano, encerra-se uma fase, como qualquer ciclo em nossas vidas aconteceu várias situações, algumas vividas de forma prazerosa e gratificante e outras de maneira desprazerosa, sofrida e angustiante como os projetos que não conseguimos alcançar, as metas que deixamos pelo caminho, as perdas e os enganos e com elas as frustrações pelas quais passamos.

Em relação às perdas seja por rompimento ou simplesmente abandono penso o seguinte, algumas pessoas no transcorrer de nossas vidas nos abandonam com elegância e educação, são ciclos que vivemos e quando eles se completam cada um de nós vai viver outras escolhas.


Já há pessoas que nos abandonam sem se despedir, são os pesos que carregamos de pessoas que sugam nossa energia, quer saber? Foi ótimo uma carga a menos, você vai perceber que seu caminhar ficará mais leve e você terá espaço para entrar o novo em sua vida, tenho certeza que uma nova relação aparecerá e pode ser verdadeira seja no âmbito da amizade, do afeto ou profissionalmente.

Então o que você esta esperando para fazer um balanço, ou melhor, uma faxina em seus hábitos, comportamentos e valores?
 

Penso que em 2012, você adquiriu o direito de:

·         Viver mais leve, portanto se desfaça de quem te cansa muito.

·         Fazer o que se sente bem (dançar, ler, ver filmes, ouvir música etc). Você ficará mais feliz.

·         Escolher quem você quer que esteja próximo a você.

·         Ter critérios para suas escolhas, que elas sejam saudáveis e ampliem seu bem estar

·         Se comprometa em cuidar e respeitar mais você

·         Tenha autoconfiança, não se culpe por tudo que aconteça em sua vida, isso passa.

·        Tenha limites em relação aos outros. Afinal você não quer que eles tenham para com você?

·         Tenha bom humor, sua saúde agradece.

·         Valorize os que sempre estiveram ao seu lado, enquanto você estava na pior. Mas também reserve tempo para ouvi-los quando for preciso.

Sua lista pode ser muito maior do que esta melhor ainda, isto significa que sua autoestima esta crescendo.


 Mas você não pode de forma alguma em 2012:

·         Desacreditar e desistir de seus planos.

·         Deixar de enfrentar suas frustrações.

·         Deixar sua identidade para ser o que a outra pessoa deseja isto não dará certo. Você mesma irá cobrar do outro e de si mesma.

·         Tomar decisões de forma impulsivas.

·         Ir a lugares que você não gostaria, só por obrigação.

·         Ficar de mau humor quando as coisas não saem como você planejou.

·         Esperar que somente a outra pessoa possa te fazer feliz. Faça você por você mesmo.

Enfim encerre 2011, agradecendo tudo de bom que aconteceu a você e prepare-se para 2012, com um sentimento chamado esperança somado ao comportamento de atitude, os dois juntos facilitarão a realização de seus planos para o novo ano que esta chegando.
 






Teresa Zogaib

22/12/2011

ENFIM É NATAL


Chegou o Natal e com ele toda a correria já esperada, é shopping e supermercado lotados, trânsito complicado, presente de última hora, e pior, muitas pessoas resolvem destilar seu mau humor e irritação por ter toda essa trabalheira. Veja bem se for para participar ou fazer algo no Natal faça por prazer, por vontade de estar junto aos familiares e amigos, não se obrigue a fazer o que não gosta ou não quer caso contrário você ficará estressado e a idéia é justamente o oposto é deixá-lo feliz.



Mas qual é o sentido do Natal? Apesar de toda loucura do corre, corre precisamos lembrar que a grande significação comemorada nesta data é o nascimento de Jesus que renasce a cada ano simbolicamente trazendo a esperança, a fé e a paz.

Tome estas palavras para você também, aproveitar este momento para se renovar no sentido de ampliar sua vida, deixar o que já não é mais necessário, abrir espaço para que o novo chegue ampliar o respeito por você mesmo e pelo outro.



Pense que esta noite você estará com os amigos e familiares que escolheu ficar, pessoas que realmente goste e que te faz feliz. É uma boa época para avaliar seus relacionamentos e se reinventar para a vida.

É o tempo do renascimento, aproveite para olhar e exercer bons sentimentos como: o amor, a solidariedade, a alegria, se colocar no lugar do outro e auxiliá-lo quando necessário como você gostaria que ele fizesse por você. Elabore suas perdas, eu sei que é difícil, que da saudade, mas eles sempre estarão vivos internamente em você, sinta-se feliz por ter vivido algo tão bom junto a eles.

Pior seria não ter ninguém para sentir saudades, isto daria uma grande sensação de vazio existencial.



Mas se você quer estar nesta noite junto a pessoas significativas comemore, ofereça seu carinho, atenção e amor. Prepare o clima natalino em sua casa, Natal traz consigo símbolos como presépio, árvore de Natal e Papai Noel trazendo presentes. Lembra quando você era criança? Resgate o que gostou dessa época e faça hoje para seus amigos e família. Isto irá deixá-los mais felizes, você irá reviver suas raízes agora no papel de adulto.

Mas se não quiser cumprir todo o ritual do Natal (presente, visita, comemoração) se dê esse direito, você não é obrigado, mas nada de se punir com a culpa, lembre-se você optou pela solidão.



Antes dessa decisão só peço que faça um balanço sobre tudo que aconteceu este ano e quais pessoas que estavam realmente ao seu lado, talvez você reconsidere sua escolha percebendo o quanto elas foram importante naquele momento, fazendo você perceber que não estava sozinho.

A decisão de escolher o que você quer para esta noite é só sua, portanto reflita e tome uma atitude.

Feliz Natal a todos, que esta noite traga serenidade, afeto, esperança, saúde e tranquilidade para as próximas escolhas das nossas vidas.



Com carinho Teresa Zogaib




19/12/2011

Como é difícil dizer NÃO


Nesses anos todos de prática clínica se têm um assunto que norteia meus atendimentos é a dificuldade que a grande maioria das pessoas tem em dizer a palavra não. Observo que muitas pessoas que atendo, se a utilizasse adequadamente não sofreriam tanto, falo do sofrer psíquico, como a incomoda, angústia e do sofrer físico como a ansiedade, a insônia, a gastrite, a tensão nervosa, a pressão alta e por aí vai...

Penso que para estas pessoas dizer não ao outro mobiliza o sentimento de culpa por negar algo que ele deseja e esta culpa fica martelando o dia inteiro em sua mente como se ele estivesse decepcionado o outro, mas na verdade disse não a ela mesma, ficando com a sensação que algo não esta sendo digerido dentro de si. É o que muitos verbalizam estar com "um bolo na garganta" muitas vezes acompanhado por uma pressão no peito. Pronto a grande armadilha esta acionada ao invés de colocar limites no outro, já que a palavra não esta relacionada com a interdição, com a negação ou de forma mais objetiva com a condição de frustrar o desejo do outro é você que se frustra.



Mas por que uma simples palavrinha mobiliza tantos sentimentos e emoções? Bem em primeiro lugar para dizer de forma direta e clara é necessário que a pessoa se aproprie dessa condição, ou seja, você pode, deve e tem direito de usá-la, em segundo lugar requer certa dose de autoconfiança, situação rara a quem sempre diz sim com vontade de dizer não.



Em terceiro lugar, muitos de nós tivemos uma educação na infância onde foi nos ensinado que deveríamos ceder numa disputa, ou ter uma atitude de submissão para não incomodar ou aborrecer o outro. Desde muito cedo ouvimos dizer: isso não pode, não faça isto e confundimos o sentido da não interdição com o não em relação ao que no desenvolver da vida adquire o sentido de limites tanto para que o outro nos respeite como para nós mesmos. É importante aprender a falar não para si mesmo, é ele que irá nortear a carga de vida que você quer carregar. Não espere que o outro tome decisões ou diminua sua carga, faça você por você mesmo, com o tempo este comportamento se tornará uma pratica e você irá sentir-se mais leve e feliz.



Em quarto lugar pessoas carentes acreditam que cedendo ao outro terão sua atenção, admiração, reconhecimento, amizade, afeto. Grande engano, se você não se respeitar não espere que o outro tenha esses sentimentos por você, afinal você sempre cede e torna-se o que o outro deseja.



Por fim em quinto lugar é interessante perceber as fantasias ou crenças que a própria pessoa acredita que possa acontecer num relacionamento quando se diz não, como por exemplo: mobilizar a agressividade, deixar o outro aborrecido, ser rejeitado e abandonado, magoar e decepcionar a outra pessoa. Ao sentir tudo isso geralmente a pessoa recua e fala "sim”, pronto o comportamento foi repetido e você novamente fez o que não gostaria ,ficando com raiva, culpa e impotente.



Pense e reflita agora você é um adulto e neste mundo você deve rever seus conceitos,ser mais assertiva, exercer seus direitos e não desistir de mudar ou adquirir novos comportamentos. Eu compreendo que dá trabalho, mas é possível este é o caminho para você se respeitar, ter autoconfiança e ser respeitado pelo outro.

E se ele for embora é porque ele nunca esteve de verdade ao seu lado, relacionamentos passam por situações de negação e qualquer relação é uma via de mão dupla, quando somente um cede, está  na hora de parar e analisar o que esta acontecendo.



Dicas para mudar:



1- Coloque limites em você mesmo e na outra pessoa.

2- Ao falar seja objetiva, deixe claro seu posicionamento.

3- Controle a impulsividade.

4- Trabalhe sua carência, ela é uma das grandes responsáveis por você ter dificuldades em falar não.

5- Desenvolva sua autoconfiança.

6- Se necessário faça Psicoterapia ela ajudará a você se autoconhecer e aprender a lidar com suas dificuldades.





Seja Feliz

Teresa Zogaib


12/12/2011

CIÚMES, QUE SENTIMENTO É ESSE ?


O ser humano apresenta uma rede complexa de sentimentos e emoções. Estou chamando de emoção nossas reações corporais frente a uma situação vivida, por exemplo: taquicardia, respiração ofegante etc, acredito que a emoção está diretamente relacionada com o sentimento. Já por sentimento entendo que é algo que sentimos em determinadas situações como raiva, amor, ódio, medo, ciúmes etc.

Falando sobre ciúmes este é um dos mais intrigantes sentimentos vividos por nós, porque ao sentir, você vai de encontro ao que você acredita que poderá evitar que é o risco de perder alguém ou algo que gosta muito.


Quantas pessoas você conhece que romperam seus relacionamentos devido ao ciúmes? Com certeza já ouviu histórias de rompimentos por este sentimento seja a nível afetivo, familiar ou profissional. Casais que se separam e teriam tudo para dar certo, mas devido ao ciúme a relação foi destruída, famílias ou amigos que se afastam e com o passar do tempo a amizade terminou.



Vamos ver quais situações estão envolvidas com este sentimento? Primeiro o ciumento é aquele que tem medo de perder o amor de quem ele ama isto faz com que o ciúme esteja de mãos dadas com o medo de ser: trocado, traído ou abandonado. Depois a inferioridade, acredita-se que outra pessoa conseguirá estragar e destruir a relação, é como se o ciumento não tivesse construído nada sólido e de uma hora para outra ficasse abandonado.


Na verdade o ciumento não precisa que nada de concreto aconteça para que ele sinta-se ameaçado, ele interpreta e amplia uma situação e a história que ele imaginou torna-se real com um final voltado para a perda. Situação que irá desencadear outros sentimentos como: raiva, vingança, autoestima rebaixada, carência o que deixa a pessoa além de tudo insegura.
Quantas pessoas passam por todo esse processo doloroso e não percebe que enquanto não trabalhar suas inseguranças, seus medos continuarão sendo repetidos.



Provavelmente são pessoas que já tiveram experiências sentidas como ruins (abandonos, perdas, rejeição) em fases mais remotas de suas vidas e não conseguiram superá-las. Associam relacionar-se ao que viveram anteriormente e sem perceber destroem a possibilidade de ser feliz.


Muitas pessoas acreditam que ter ciúmes é uma prova de amor, engano amar é realizar trocas, ter confiança, respeitar a identidade e liberdade do outro, construir para que ambos tenham vontade de estar juntos.

Estudiosos do comportamento destacam que muitos confundem ciúmes com zelo. O ciumento acredita ser o dono (posse) do outro, controla sua vida para não ser traído ou abandonado. Já o cuidador zela pela outra pessoa, cuida para que a relação progrida de forma saudável. Pesquisas mostram que tanto homens quanto mulheres sentem ciúmes, só que de forma diferente, o homem tem ciúmes principalmente em relação à sexualidade exemplo outro homem fazer sexo com sua mulher, já a mulher tem ciúmes voltado mais para a afetividade, ela sente medo de ser trocada e de perder seu lugar na relação.



Também destacam que as mulheres assumem mais este sentimento e procuram formas de lidar com ele como a Psicoterapia.

Deixo claro que é natural sentir-se inseguro e ter medo de perder, o problema é quando este sentimento é ampliado, é bem possível o desenvolvimento de quadros neuróticos graves e crises de insegurança.

Concluindo o ciúmes tem cura, é possível modificar esse sentimento doloroso e adquirir um comportamento mais saudável o que é bom para ambos numa relação.



Dicas Para Lidar Com o Ciúme:
 
1- Preste atenção em seus sentimentos para compreender como você interpreta o que realmente esta acontecendo.

2-Busque ser companheiro, cuidador de seu parceiro e não dono (posse) dele.

3-Trabalhe sua autoestima, isto o deixará mais seguro.

4-Tente identificar quais situações dispara o ciúmes, isto irá auxiliá-lo a descobrir a origem desse sentimento.

5-Adquira alguma estratégia para lidar com a raiva, isto evitará que você discuta e piore ainda mais a situação.

6- Converse abertamente sobre suas dificuldades e insegurança com seu parceiro.

7-Procure ajuda na Psicoterapia para você modificar seu comportamento, isto possibilitará maior bem estar a você e por consequência para a relação.



Indicação de Livro: Ciúmes o lado amargo do amor

Autor: Eduardo Ferreira Santos

Teresa Zogaib


05/12/2011

GRATIDÃO X INGRATIDÃO

Pensando sobre o que escrever neste novo post, me deparei hoje com vários atendimentos no consultório que o assunto presente foi a ingratidão das pessoas. Ao ouvir os relatos percebi que a ingratidão é uma forma de funcionamento mental que gera uma atitude concreta onde o ingrato deixa de reconhecer o que a outra pessoa fez ou faz por ela. Somente isso? Não com certeza não, esse sentimento vem acompanhado de outros como a voracidade (eu quero tudo para mim), a inveja (eu desejo o que o outro tem, ao invés de conquistar por mim mesmo prefiro me apropriar e ao mesmo tempo destruí-lo), soberba (altivez, orgulho excessivo) e onipotência (o que pode tudo).

Tenho ouvido relatos de pacientes, de amigos, de conhecidos sobre esse tema e percebo que ele mobiliza na pessoa que passa por isso outros sentimentos como decepção, traição, muitas pessoas deprimem outros se sentem enganados. Há ainda pessoas que ao viver esta situação além da tristeza diminuem sua auto estima por ter permitido que isso acontecesse em sua vida.

Mas por que será que uma pessoa a qual confiamos, estimamos e permitimos que ela se aproxime da nossa intimidade torna-se ingrato?
Acredito que é aqui que acontece o erro, o ingrato sempre esteve lá, foi você que não percebeu, muitas vezes por carência, outras porque acreditou que aquela pessoa seria diferente com você e que realmente era seu amigo.

O ingrato tem em si o sentimento do orgulho, da inveja, do egoísmo, da falta de reconhecimento, não se coloca no lugar da outra pessoa, sua principal característica está em olhar somente para si, mesmo visando seus próprios interesses. Descartam com grande facilidade os que estavam ao seu lado, muitas vezes indo embora sem se despedir já que não existe mais interesse em ficar.

Sabe de uma coisa? Foi ótimo ele ter saído da sua vida, uma hora isso iria acontecer, apesar da dor que você sentiu ficou livre de quem nunca foi verdadeiro, e pior só estava com você por interesse. Responda você precisa passar por isto?

Já há pessoas que são extremamente gratas, reconhecem que para ser feliz consigo mesmo, em suas relações ou profissão em algum momento necessitou do apóio de alguém. Valorizam e sentem gratidão pelo que o outro fez a ele. Ao reconhecer que recebeu algo bom do outro aprende que também tem a capacidade de realizar outras experiências significativas como, por exemplo, auxiliar outras pessoas.
Estudiosos do comportamento acreditam que esta característica se inicia na primeira infância através do modelo familiar e do ambiente em que a criança esta inserida. Há autores psicanalíticos que defendem a idéia que ser grato esta relacionado ao amadurecimento emocional e para isto é necessário trabalhar elaborando sentimentos como rivalidade, inveja , onipotência etc..
É você reconhecer que para ser feliz precisa do outro e que este outro não é melhor nem pior, ele é só diferente de você, mas tem a capacidade de se colocar no seu lugar e ajudá-lo.

Entre a gratidão que é a capacidade de reconhecer que o outro lhe deu algo como afeto, conhecimento, amizade e etc. e que ao receber sua vida ficou melhor e a ingratidão que é a falta desse reconhecimento. Depende de você e a maneira de como você escolheu de estar no mundo, o jeito que cada um de nós, se posiciona na vida, uns apostam no bem, em estar junto, outros apostam no egoísmo o que em algum momento o deixará só.
Portanto faça sua escolha.

Teresa Zogaib




28/11/2011

Quer Viver Bem A Vida? Elabore Seu Passado....



Quem de nós não parou sua vida no presente e tentou reviver seu passado através de pensamentos, ilusões, esperanças? Muitos chegam ao ponto de retornar a lugares como as casas que moraram ou viagens que fizeram em sua infância para reviver esta época que para alguns foi a melhor de suas vidas, outros já lembram justamente pelo motivo contrário ou seja a pior de suas vidas.

Enfim por um motivo ou por outro voltam lá atrás, vivenciam os mesmos sentimentos e se emocionam com uma parte da vida que já não volta mais.

Se olharmos para isto para recordar o que foi vivido sem ficar aprisionado, digo que é um hábito saudável que mobiliza muitas recordações principalmente as que trazem alegria, como reviver uma época em que toda família estava junta, aquele amor que você acreditou que era para sempre e pensou que nunca acabaria terminou e você achou que morreria de paixão e que jamais amaria novamente e hoje consegue ver que você superou, amigos que sempre estiveram com você e era tão bom tê-los por perto.

  

Enfim projetos, planos profissionais, sonhos. É muitos sonhos que lá atrás estiveram presente e que alguns se realizaram outros não.

Dá mesma forma que há lembranças boas e isto nos dá prazer, passamos durante nossa vida por situações difíceis como perdas, doenças, abandonos, desamparo, ingratidão, rejeição que mobilizaram muitas dores, angústias e desconfortos para não dizer desconfianças em nos arriscarmos novamente em situações que possam terminar igual a estas que já foram vividas.

E assim vamos fazendo nosso caminhar nos defendendo do que a vida possa nos apresentar, deixando de viver o novo e de acreditar que podemos ser feliz.

Em psicologia dizemos que nossa mente desenvolve mecanismos de defesa para lidar com determinadas situações e evitarmos o sofrimento. Quando usamos por um período curto eles ajudam a enfrentar essas dores, o perigo é quando nos esquecemos de parar de usá-los e com isto vamos mudando nosso jeito de ser, nossa identidade.


Cuidado o perigo mora aqui e se você não modificar este comportamento provavelmente poderá se tornar uma pessoa amarga, solitária, medrosa e estará perdendo algo bom da vida, que é o viver, sim estou dizendo viver com toda sua complexidade, com alegria e também com tristeza, mas com muita força para enfrentá-la e superar esses momentos.

Todos nós passamos por um tempo que necessitamos mergulhar dentro de nós mesmos para olharmos nossos vidas e nos libertarmos de tudo que não queremos mais, que já não faz sentido e que dificulta nosso caminhar, é preciso soltar essas recordações para poder ficar mais leve e mais livre. É o tempo da elaboração do que vivemos, é deixá-las ir embora levando nossos conflitos, sofrimentos, dores e lembranças para poder renascer. Quer uma dica? Invista energia nesse novo projeto de vida.
Deixe o passado no passado, olhe para o presente ele é a possibilidade hoje concreta de você escolher ser uma pessoa melhor, com maior autoconfiança, saber enfrentar as frustrações e principalmente buscar ser feliz.
Se necessário busque ajuda profissional como a Psicoterapia, ela irá ajudar você a se autoconhecer e ampliar seu bem estar.

  

Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver.

Sua Santidade Dalai Lama.

 Teresa Zogaib




22/11/2011

Meu filho tem Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade , o que eu faço?


Atualmente muitas mães procuram atendimento para seus filhos, pois acredita que os mesmos apresentam Transtorno de Déficit de Atenção o famoso TDA. Todas trazem como queixas que eles não conseguem ter bom aproveitamento escolar, são desatentos, não terminam nada que começam e geralmente não param quietos estão sempre fazendo bagunça.

Acredito que esse aumento na procura por atendimento esta relacionado com reportagens em jornais e T.V. o que é muito bom e serve como alerta, mas me preocupo quando vejo muitos diagnósticos errôneos, o que além de rotular a criança por algo que ela não tem a prejudica em seu desenvolvimento cognitivo e social.

Vivemos numa época que é mais fácil ter um transtorno e ser medicado do que realmente olhar para o filho e perceber que suas dificuldades muitas vezes estão voltadas muito mais para a dinâmica familiar e sua ineficiência.
Noto que em muitos casos há confusão entre falta de limites, de organização e de regras para que a criança crie o hábito de estudar com o TDA.


Mas quando e por que a criança apresenta TDAH?

É comum esse transtorno vir junto com 03 sintomas que são: Alteração de Atenção, este se dispersa com qualquer estímulo, gerando grande esforço e energia para concluir tarefas, geralmente começa várias atividades e não termina nenhuma. Impulsividade: a criança não pensa, reage a qualquer estímulo de forma automática sem ter a capacidade de avaliar seu comportamento. Rapidez de atividades mental, seus pensamentos são rápidos, não consegue concluir nada, pois já esta pensando em outra coisa e atividades físicas, está sempre irrequieto e se mexendo.
 

Entre os 03 sintomas citados o mais significativo é o da falta de atenção para o diagnóstico, os outros 02 podem ou não estar presente, quando presente recebe o nome de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Destaco que o TDAH apresenta maior incidência no sexo masculino.

A origem do TDAH esta em bases neurobiológicas localizada na região pré frontal do cérebro onde há alterações de neurotransmissores fazendo com que ocorra desequilíbrio químico causando alteração ligada à atenção. Pesquisas mostram que geralmente há familiares com o mesmo transtorno, portanto temos aí uma base genética, outras pesquisas já apontam causas familiares junto com a genética, portanto melhor falar em causa multifatorial. Esses mesmos estudiosos afirmam que adultos com TDAH têm maior tendência a desenvolver transtornos psíquicos do que pessoas sem esse transtorno.



Como Diagnosticar?
 
O diagnóstico é feito por psicólogo ou medico psiquiatra infantil com formação para esta área. Utilizam-se testes, escalas específicas para o TDAH, mas principalmente uma boa investigação familiar, escolar e social da criança.
 

Tratamento

A criança após ser diagnosticada com TDAH deve fazer Psicoterapia Focal e receber tratamento medicamentoso para reequilibrar a área cerebral afetada. Os pais devem receber orientações para aprender a lidar com essa situação. A escola deve ser informada e realizar intervenções facilitadoras tanto para a aprendizagem como para o convívio junto a outras crianças.



Dicas para lidar com o TDAH
 

·         Não interromper o tratamento.

·         Criar um ambiente para que o filho realize tarefas com o mínimo possível de estímulos para não distraí-lo.

·      Organizar e estruturar a vida da criança com agendas, tabelas, horários para que ele possa realizar tarefas, lazer, esporte, refeições etc. Lembre-se procure ter bom senso, é melhor trinta minutos que a criança consiga estudar e se concentrar do que muito tempo sem que ele de conta disso.

·      Supervisionar tarefas e atividades escolares para que elas sejam feitas pontualmente.

·         Usar computador como estratégia para auxiliar em sua aprendizagem, já que a criança presta mais atenção com ele.

·         Reforçar positivamente cada pequeno avanço, isso diminuirá sua frustração e o deixará mais seguro.



Concluindo o TDAH não é preguiça, não adianta castigar, isto só irá piorar o quadro. Lembre-se seu filho precisa de sua ajuda, a família é uma peça muito importante para o sucesso do tratamento



Teresa Zogaib




17/11/2011

A difícil arte de fazer escolhas para nossa vida

Em todos esses anos como psicóloga clínica tenho observado em meus atendimentos que determinados temas da vida cotidiana, como perdas, enganos ou decisões são recorrentes nos meus atendimentos. O mesmo acontece quando observo pessoas em lugares públicos. É comum ouvir mulheres falarem de decepções, tornando essa situação fixa em suas mentes, discutem suas amargas desilusões, seu gosto de derrota e a sensação de fracasso, o que influenciam em sua autoestima e como consequência surge: sentimentos de menos valia e culpa.


Sabe o que penso a respeito de toda essa situação? Primeiro concordo que dado ao fracasso da experiência, esta gera grande incomodo principalmente em nossa alma, pois acredito que a alma entristece e perde seu brilho. Ah! você prefere pensar que nossas emoções são expressões somente biológicas e que para ficar triste basta alterações no nosso cérebro para que ele ordene neurotransmissores jorrar seus hormônios da tristeza. É você também tem razão esse é o processo fisiológico do entristecer.

Não vou discutir razão versus emoção, prefiro acreditar que de um jeito ou de outro nossa alma de alguma forma sente e reflete isso em nosso coração e olhar, pois ele perde o brilho.



Sim acredito nos poetas que a alma fala sobre nossas emoções que o diga Fernando Pessoa e todos seus heterônimos. Alguém se arriscaria a questioná-lo?

Quero chamar atenção para algo extremamente importante para nossas vidas que é a capacidade de fazer escolhas, de decidir o que queremos para nós. No fundo há duas palavras que precisamos usá-las, o sim e o não.


Tudo na vida são escolhas e estas devem ser refletidas e corajosas, penso que o sim deve, ser dito quando algo te traz alegria, vínculos afetivos, humor, motivação, serenidade, projetos pessoais saudáveis etc. Não se engane não é tão fácil, mas é necessário começar a tentar, mas tentar acreditando que vai dar certo.


Outras escolhas também precisam ser refletidas e corajosas para se dizer não ao que te faz sofrer , te culpa, tira seu sono, a rigidez que te impede de perdoar, destrói vínculos, mobiliza raiva, ultrapassa sua ética e por fim faz mal para sua saúde. Pense quantas vezes você falou sim por carência acreditando que iria ter amigos e terminou na solidão, outras vezes por orgulho disse não e deixou de ser feliz, valeu a pena?
Finalizando mudar não é fácil, é aprender apesar do medo da insegurança que você pode e deve fazer boas escolhas. Durante toda nossa vida passamos por vários ciclos, aprendemos a escolher e somos o resultado dessas escolhas, nunca teremos tudo, mas podemos escolher o melhor para nós.

Para tentar auxiliá-lo a tomar decisões lembro que vale a pena investir em seu autoconhecimento, prestar atenção ao que você quer ver e ouvir pessoas ao seu lado e por fim lembre-se em toda escolha você ganha algo e abre mão de outro. Que seu ganho seja maior e traga mais felicidade a você.
Ah! E se você fizer a escolha errada? Recomece sempre é tempo.


Há um tempo que é preciso abandonar as roupas usadas,

que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos

caminhos, Que nos levam sempre aos mesmos lugares.

É o tempo da travessia e, se não ousarmos fazê-la, teremos

ficado, para sempre, a margem de nós mesmos.

Fernando Pessoa


Teresa Zogaib

13/11/2011

AFINAL AMBIÇÃO É BOM OU RUIM ?



Falar de ambição me remete aos primórdios da mitologia, conta o mito que, Pandora foi preparada pelos deuses do Olímpio para descer a terra com os dons da beleza, sedução e persuasão, digamos habilidades essas fortes do humano escapar dela, não? Como não bastasse Pandora tinha uma caixa que não poderia ser aberta, veja bem, como vocês querem que uma mulher tenha algo que não possa saber o que é? Fica fácil saber o que ela fez. É isso mesmo que você esta pensando, logo que possível abriu a caixa e de lá saíram todos os sentimentos negativos como também os males do mundo como: doenças, vingança, inveja, rancor, medo, cobiça, guerra, ambição e por ai vai. Ao ver tudo isso saindo Pandora se desesperou e numa tentativa de conter fechou a caixa com um único sentimento que restava dentro chamado Esperança.

A esperança esta relacionada com a condição de enfrentar conflitos e dificuldades da vida, acreditando que esse serão superado. E dessa forma o ser humano padece até hoje de todos esses sentimentos que tanto geram angústias.



Mas voltando para a ambição o que você acha, ter ambição é bom ou ruim? Depende de como você lida com ela, há pessoas que usa esse sentimento de forma gananciosa, muitas vezes ele aparece de mãos dadas com a inveja, tornam-se ambiciosos para ter poder, mas um poder voltado para o autoritarismo e para a arrogância. São pessoas com personalidade voraz, ou seja, querem o que é do outro, para se tornar mais do que o outro, como o caso do ganancioso que nunca se depara com limite, sempre querendo mais, nunca tem fim seu querer.

Temos exemplos na política e na história da humanidade de pessoas ambiciosas e prepotentes que descobriram o poder e o utilizaram muito mais em benefício próprio inflando seus egos, ultrapassando todos e quaisquer limites, como os ditadores que subjugaram as pessoas e pensaram somente em sua vaidade pessoal.

Atualmente estudiosos do comportamento estão dando maior atenção a pessoas com este atributo, através de pesquisas foi possível verificar que não há diferenças entre o sexo masculino e o feminino em ter essa habilidade, a maior diferença esta basicamente na forma de assumir esta condição, mulheres querem "ser” boas profissionais, mas também querem constituir relações afetivas estáveis como ter um companheiro, família, filhos, amigos (círculo social), cuidar do corpo (atraente), o que esta relacionado a pressão sócio cultural para o sexo feminino.

Já os homens assumem sua ambição de maneira mais focal o que demonstra que eles querem "ter", sucesso, poder, dinheiro etc.

Como característica atual é possível substituir a palavra ambição por motivação e criatividade, situação muito bem vinda principalmente no meio profissional.



Em relação ao perfil dessas pessoas foram observadas algumas características como: persistência, atenção concentrada, ou seja, determinam um objetivo, estabelecem metas e atingem este objetivo, grande autoestima,autoconfiança, boa organização e muita resistência a frustração somado a influência ambiental.

Portanto parece que como tudo na vida tem e deve ser analisado sobre os dois lados, há pessoas que usam a ambição de forma egoísta pensando somente em si mesmo sem levar em consideração o outro e há pessoas que a partir deste sentimento realizam modificações, transformações e crescimento em benefício de muitos.

Concluindo todo ser humano nasce com a predisposição para desenvolver sua ambição, como você irá fazer isso é que é o diferencial. Ah! só mais uma opinião , sem ambição não haveria progresso estaríamos ainda no tempo das cavernas não é?




“Necessitamos sempre de ambicionar alguma coisa que, alcançada não nos torna sem ambição.” Carlos Drummond de Andrade


TERESA ZOGAIB



















                                                       














  

09/11/2011

DE NOVO ESSA BIRRA


Praticamente todos os pais passam por períodos de desenvolvimento infantil onde seus filhos expressam seus sentimentos de desprazer através da birra. Esse  comportamento é esperado entre 18 meses até por volta dos 05 anos, sendo que quanto menor a criança mais ela usará seu corpo para mostrar seu descontentamento e frustração  como, por exemplo: se atirar no chão, gritar, chorar, agarrar nos pais, muitos ainda escolhem fazer isso em locais públicos. Apesar de muito desagradável   os teóricos do comportamento infantil afirmam que esta situação faz parte da vida  infantil, ou seja, do crescimento. É  a fase onde a criança busca enfrentar seus pais para realizar seus desejos e vontades.

Aos pais cabe colocar limites e ensinar ao filho que ele pode e deve agir de outra forma, dizemos que os pais devem mostrar como conviver com situações de frustrações (o famoso não) e explicar como desenvolver autocontrole. É  fácil? Com certeza não, mas vale muito à pena, crianças necessitam  aprender a lidar  com sentimentos desagradáveis de forma mais saudável e cada vez mais precisarão ter habilidades para o bom convívio seja na família, escola, enfim  em relações sociais e futuramente profissionais.
Outra situação que geralmente prevalece para que a  criança consiga tudo o que quer é a do sentimento de culpa  que os pais têm por passarem períodos longos longe dos filhos tornando-se cada vez mais pais permissíveis.
Situação essa que a criança percebe e usa isto a seu fator. Esta  admirado?  Crianças são muito espertas.


Concluindo, é difícil lidar com as birras, mas não desista você estará fazendo o melhor para seu filho e para a relação familiar. Lembrem-se crianças necessitam de hábitos  voltados para a organização isto é muito importante para seu desempenho e desenvolvimento atual e futuro.


DICAS
·       Não bater e não gritar com a criança isso só irá piorar a situação deixando-a mais agitada, angustiada e com raiva.
·       Antes de sair  de casa procure negociar com seu filho e cumpra o combinado.
·       Nunca cedam as birras da criança.
·       Não se deixe  manipular  por eles nesse momento.
·       Mantenha a calma, eu sei que é difícil, mas você também  deve modificar seus comportamentos para lidar com a birra.
·       Ignore  a birra, no começo a criança provavelmente irá chorar mais alto com o tempo perceberá que não esta dando resultado e mudará suas atitudes.
·       Não brigue com seu filho na frente de outras pessoas (humilhação).
·       Se  não conseguir  conter a birra pegue a criança no colo e saia do local, depois quando ela estiver mais calma  converse e explique o que aconteceu.
·       No caso da birra ser em sua casa leve  seu filho ao quarto e o deixe por pouco tempo sozinho. Ele perceberá após algumas vezes que esse comportamento não esta dando certo.
·       Pais devem cumprir funções paternas, podem e devem ser "um pai amigo", mas nunca somente amigo.
·       Muitos pais preferem dar brinquedos, mas não brincam com o filho, crie esse hábito você estará ensinando  regras, limites, atenção e afeto.
·       Não de castigo que você não possa cumprir.
·       Quando a birra se torna repetitiva estabeleça contato físico com seu filho, fale baixo e calmamente, segure seus bracinhos para  tentar fazê-lo parar e olhar para você pegue o no coloco faça carinho e tente desviar o assunto mostrando  outra coisa que chame sua atenção.
·       Quando a birra passar, busque conversar bastante com  ele mostre o que aconteceu e o que ele perdeu com  essa atitude.
·       Quando a criança demonstrar  comportamento assertivo reforce positivamente, isto fará  com que ele perceba que consegue lidar com a frustração de forma mais adequada.


Teresa   Zogaib